O Caminho Odinista

Odin se tornou um arquétipo destruído.
Adotado por fracos como uma figura paterna amorosa ou como uma divindade super simplificada da magia ou poesia.

Dessacralizada pelo uso profano em programas populares de heavy metal ou televisão, a própria palavra se tornou sinônimo de camisetas maldosas e memes “Valhalla” que se espalharam pela internet e mídias sociais.

“Salve Odin, beba hidromel e vá para Valhalla.”

Slogans ridículos que colocam um viés infantil em um conceito temido e temível.

Adam of Bremen disse: “Wodan, vá embora.” Odin, significa fúria.

Como muitas palavras e nomes arcaicos, podemos aprender muito sobre ele estudando suas raízes.
Do protogermânico, * wodanaz é relacionado a * wodaz, “furioso”.
Quando olhamos para o nome próprio do nórdico antigo, vemos uma palavra composta, Óð- como um prefixo, que significa fúria, êxtase, paixão, fúria, frenesi, possuído e até mesmo, em alguns casos, “louco” e -inn , o artigo definitivo “o”.

O êxtase.
O furioso.
Os possuídos.

Como o nome indica, as áreas que estão sob os auspícios de Odin são aquelas associadas à morte, loucura, poder, magia e guerra.

O personagem de Odin, em toda a tradição germânica, está longe de ser um pai amoroso e, na maioria das vezes, é visto como um mentiroso, um enganador, um assassino e um oportunista. Seu único objetivo é a aquisição de poder, muitas vezes por meio da aquisição de informações e compreensão ocultas, outras vezes por meio de caminhos mais diretos de conflito e dominação.

Se Frey é o rei da abundância, bom e legítimo, Odin é o rei por suas próprias mãos, um tirano e um personagem intensamente maquiavélico que joga em um jogo onde só ele conhece as regras.

Minha compreensão de Odin sempre foi menos como um personagem e mais como um caminho, um desenvolvimento do próprio caráter ao longo de certas linhas de ley que uma comunidade compartilha com os princípios de um estilo de vida “Odinista”.

Alguns escritores modernos tentaram rotular Odin como um demiurgo, pintando a paisagem mitológica germânica com um pincel gnóstico para se adequar às suas próprias filosofias, o que em si é talvez uma busca Odinista, mas Odin não é um demiurgo.

Ele não criou a matéria, nem controla o universo ou a matéria dentro dele: na cosmogonia do norte, Odin é um remodelador do mundo ao seu redor, que é um conceito criticamente diferente, ao invés de ser responsável por ele.

Piscando para a existência do cosmos como o conhecemos, Odin e seus irmãos remodelaram a realidade existente na forma do gigante Ymir, por meio de um ato de sacrifício e vontade, recriando o que já existia da maneira que consideraram adequada.
Este conceito simplificado contém a maior parte da base para a prática de “ocultismo” ou “magia”.

Claro, aqui estamos lidando com histórias, verdades com “V” maiúsculo e não fatos.
Sempre achei a compreensão literal de qualquer mitologia abominável e uma obstrução total dessas verdades que podem ser destiladas por meio de uma abordagem mais profunda: não existe uma Igreja dogmática de Odin e, se existisse e tivesse membros, haveria forte ironia…

O caminho Odinista não é um caminho reto com regras e limites bem definidos, mas um labirinto tortuoso de peças interligadas e entrecruzadas, muitas estradas levando a um centro desconhecido.
Ele desafia as regras, ultrapassa fronteiras e limites, e acena para quem quer que o leve a um deserto em constante mudança sem um mapa ou bússola.

O caminho de Odin pode ser mais bem entendido como um caminho de experiência e destilação.
Um processo alquímico em que se acumula grandes quantidades de matéria-prima e as coloca na fornalha, queimando a escória e vendo o que sai do outro lado, purificando-a, requeimando-a e filtrando tudo pela visão de mundo de quem ela é individual e o que você quer ser, mas talvez ainda não.

Baseia-se no desenvolvimento de uma espécie de bússola espiritual.
Por um lado, existe a busca incansável para encontrar o lugar certo no mundo, vagando até que este seja conhecido ou descoberto por meio da reunião de muitas experiências em muitos lugares.
Por outro lado, a Grande Obra e a transformação constante, a aquisição de poder e o conhecimento de que a única coisa boa neste mundo é a sensação de força crescente.

Acima, a única estrela que arde brilhantemente no céu para o seguidor do caminho Odinista, ou mais corretamente, para o viajante do labirinto Odinista, a configuração Ternion do Valknut, representante do próprio caminho, e aquele que caminhou primeiro.

A coroa de fogo que existe no final da estrada, no centro do labirinto, um prémio intangível que provavelmente nunca poderá ser ganho, mas que move o viajante e acende a sua paixão.

Abaixo, o mandamento das próprias raízes de seu ser, no fundo de seu sangue, talvez até mesmo em sua linhagem – o édito inflamado para continuar se levantando, para combater o desespero e a distração com propósito.
Para manter os olhos na única estrela que nunca vai falhar, que é chamada de Destino ou condenação.

O cavalo que ele monta é chamado: ALU, derivado de uma palavra proto-indo-européia que se traduz como “magia, ritual, possessão, intoxicação” e de onde vêm nossas palavras, cerveja, alucinação.
A conexão com o nome de Odin aqui é clara, e se Odin é um substantivo, então alu é o verbo com o qual o alcançamos, nos tornamos ele e mudamos a nós mesmos.

Este cavalo é nossa prática ritual, nosso trabalho elevado em que perscrutamos o desconhecido e retiramos mistérios do vazio, gritando.

O labirinto que leva a esta coroa de fogo não é o de “encontrar equilíbrio”, nem de “buscar a paz”.
É uma forma de isolamento, prova, provação, grande sofrimento e grande recompensa. Baseia-se na paixão e no fogo, a palavra falada como um feitiço para reordenar o mundo à nossa imagem.
Os pilares sobre os quais ele se apoia não são a estabilidade e a firmeza, mas o caos e o conflito.

O centro do Valknut é o olho de um furacão, e apenas aquele que é capaz de viver nele – de agarrar o poder e a quietude no coração da tempestade – pode se considerar digno de percorrer o Caminho Odinista.

Traduzido por Selene Ortiz Vazquez, membro do H.O.S.F.

Texto original: operationwerewolf

compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Pesquisar - IOSF

Navegador!

Hails aos nossos Ancestrais

Hoje é dia de pão, feito em casa e feito como minha vó materna fazia, e uma cerveja para acompanhar, como minha família fazia e

Os processos de aprendizagem a nível espiritual

Hails jah Haila. ᚺᚨᛁᛚᛊ ᛃᚨᚺ ᚺᚨᛁᛚᚨ. 𐌷𐌰𐌹𐌻𐍃 𐌾𐌰𐌷 𐌷𐌰𐌹𐌻𐌰. Haila Frijonds jah Frijonjos Meina! ᚺᚨᛁᛚᚨ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛞᛊ ᛃᚨᚺ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛃᛟᛊ ᛗᛖᛁᚾᚨ!. 𐌷𐌰𐌹𐌻𐍃 𐍆𐍂𐌹𐌾𐍉𐌽𐌳𐍃 𐌾𐌰𐌷 𐍆𐍂𐌹𐌾𐍉𐌽𐌹𐍉𐍃 𐌼𐌴𐌹𐌽𐌰. Todos

A LUZ DO SAGRADO FOGO NOS GUIA

A LUZ DO SAGRADO FOGO NOS GUIA Hails jah Haila. ᚺᚨᛁᛚᛊ ᛃᚨᚺ ᚺᚨᛁᛚᚨ. 𐌷𐌰𐌹𐌻𐍃 𐌾𐌰𐌷 𐌷𐌰𐌹𐌻𐌰. Haila Frijonds jah Frijonjos Meina! ᚺᚨᛁᛚᚨ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛞᛊ ᛃᚨᚺ ᚠᚱᛁᛃᛟᚾᛃᛟᛊ

Untitled-1

Nosso modo de vida está enraizado no sangue (Folk) , na honra (valores) e no solo das terras de ODIN.
e não respondemos a ninguém além de nós mesmos

Untitled-1